Já fazem alguns anos que venho questionando o nosso atual modelo de educação. Sei que muita coisa precisa ser feita e que algumas coisas ainda precisamos iniciar (mais do que mudar), mas na educação adulta já temos modelos muito bem definidos e que gerar milhões em seus mercados, mas não quer dizer que é um modelo correto.

Na verdade, não existe um modelo correto de educação e essa é exatamente a beleza e oportunidade da “coisa toda”. Desde que comecei a estudar melhor o mercado de educação e suas metodologias, venho me questionando quais são as possibilidades de aprender mais e melhor. Sempre tenho como base que:

  • Passamos quatro anos em uma graduação para ir ao mercado e descobrir que muitos conceitos não valem mais e/ou já fora substituídos;
  • Corremos atrás desse prejuízo fazendo uma pós-graduação, gastando uma “grana” para descobrir que novamente, “perdemos” tempo com algo que já mudou.

Tendo como base que a maior parte das pessoas não é auto-didata, é comum termos um mercado de cursos e workshops em alta. Mas ainda assim, muitos deles acabam fazendo exatamente o que Universidades em geral fazem: Conteúdo é bom, mas a experiência é péssima.

Tá, mas se conteúdo é bom, para que uma experiência?

Talvez no passado, experiência era algo secundário, mas dado ao nosso atual momento, onde tudo é mais em ser do que ter, então com a educação não deveria ser diferente. Precisamos “ser” algo durante a educação, presenciar, sentir, praticar e não somente absorver (me dá calafrios o modelo de ficar ouvindo uma pessoa falar para uma sala com 40 pessoas).

Neste ponto, o espaço e como interagimos com ele é algo fundamental. Por isso, cada vez mais gosto quando podemos participar de atividades (educacionais ou não) em espaços colaborativos, por exemplo: coworkings.

Mas um local de colaboração e aprendizado, existe? De verdade, eu não conheço (se existir, deixe um comentário. Vou adorar conhecer o/). Por isso que quando o Julio Fontes, CEO do Coletividad, me chamou no WhatsApp falando que tinha uma novidade e que envolvia um espaço + aprendizado, logo me interessei.

Primeiro, o que é Coletividad?

O Coletividad é uma plataforma com propósito de reunir em um único lugar todos os Cursos, Encontros, Maratonas, Hackathons, Oficinas, Workshops, Palestras, Eventos e toda e qualquer atividade que promova Aprendizagem em torno do Design, Tecnologia, Empreendedorismo, Design Thinking, Inovação & Criatividade, Branding e Tipografia no Brasil. E só em 2017, se não me falha a memória, foram realizados mais de 100 atividades (participei do Workshop de UX com a Carla de Bona).

Entendi! E qual o projeto?

Quando o Julio me chamou para me mostrar essa novidade, ele simplesmente me mandou este link: O primeiro espaço de Colearning do Brasil (talvez do mundo) é incrível!

Na hora rolou um grande: “WHAT? Colearning? O que é que ele tá criando?”. E ai fui eu ler o link para saber mais do novo projeto do Coletividad.

Demorei um pouco para assimilar na real o que era a proposta do Colearning, mas depois que a ideia foi assimilada, tudo fez muito sentido. Exatamente porque questiono muito a questão da experiência da aprendizagem e como o espaço faz sim a diferença. O Colearning é o seguinte (copiando do artigo do Julio, recomendo a leitura para você compreender toda a proposta):

Imagine uma casa de show de música onde em cada dia tem um novo show com um artista e gênero novo, e que você pudesse sempre curtir, conhecer pessoas, descobrir músicas e gêneros novos (melhor que algoritmo do Spotify).

A ‘casa de show’ é o Colearning. Cada dia, 6 dias por semana, 12 horas por dia, tem um grande conjunto de atividades, cursos novos, com um novo professor / facilitador, de um novo tema, com conteúdos alinhados, atraindo um público diverso, mas com objetivos específicos e em comum.

Mais do que uma escola, o Colearning tem a proposta de ser um espaço colaborativo para você aprender e isso é simplesmente espetacular. Sei que por ser físico, o grande “problema” é não conseguir escalar na velocidade desejada e/ou solicitada, mas ainda assim é um baita de um ponta pé para um modelo de espaço de aprendizado, ainda mais quando falamos de Brasil.

Algumas atividades já estão programadas, sendo elas:

  • Workshops e Cursos (seus, nossos e de parceiros)
  • Desafios de Design e Tecnologia
  • Palestras, Projetos, Hackathons
  • Debates críticos e abertos em busca de um entendimento comum
  • Mentoria 1 a 1 para suas habilidades, projetos e ideias
  • Encontros de Comunidades
  • Grupos de Estudo
  • Sessão aberta de pitch
  • Aceleração e Incubação dos seus projetos e ideias no pós curso, workshop, mentoria, hackathon ou bootcamp
  • Bootcamp

Se você ficou em interessado e quer ajudar, você pode se inscrever na newsletter dos caras aqui, ler o projeto inteiro no link já mencionado e se quer fazer parte, eles publicaram um outro artigo explicando como você pode participar deste projeto.

Disclaimer: Este artigo não é um publieditorial. Quando for um publieditorial ele estará devidamente marcado. Estou simplesmente compartilhando um serviço/produto que utilizo e que acredito que você também possa utilizar e gostar.

Categories: Tips

You Might Also Like